Você Sabia Que Sua Alimentação Está Diretamente Ligada Às Mudanças Climáticas?

Já é consenso que frituras fazem bastante mal à saúde. E a carne vermelha não fica muito atrás… A dieta vegetariana já é adotada por 30 milhões de brasileiros!! Isso representa 14% da população. Foi um salto enorme, já que esse estilo de vida é muito recente para a maioria dos cidadãos brasileiros.

Recentemente, associaram que os alimentos que contribuem para uma dieta livre de colesterol e mais rica em nutrientes também podem salvar o planeta.

Cientistas estimam que cerca de 1/4 dos gases de efeito estufa gerados a cada ano são provenientes do sistema alimentar do mundo. Como todos nós nos alimentamos, todos participamos desse sistema que está exacerbando as mudanças climáticas.

Felizmente, a cada refeição, podemos fazer escolhas para diminuir os impactos negativos do nosso sistema alimentar.

 

Separamos algumas dicas que podem te ajudar a consumir alimentos e gerar impacto positivo no planeta!

 

  1. Adote uma dieta vegetariana, vegana ou tente reduzir o consumo de carnes e laticínios

 

Segundo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, a pecuária global produz 2,3 gigatoneladas de CO2 por ano, o que equivale a 5% dos gases de efeito estufa emitidos anualmente. Dado que a produção de produtos de origem animal gera, em conjunto, cerca de 75% das emissões totais relacionadas aos alimentos, comer menos carne e laticínios – além de mais frutas, vegetais, nozes e legumes – é uma das maneiras mais impactantes de reduzir sua pegada alimentar.

O impacto médio dos gases de efeito estufa na produção de 100 gramas de proteína da carne bovina é de 105 kg de CO2. Enquanto a produção da mesma quantidade de proteína de nozes gera 1,35 kg de CO2. A pecuária também contribui para o desmatamento, a escassez de água doce e a poluição, além de várias outras práticas prejudiciais ao meio ambiente. Vários estudos citaram que a redução no consumo de alimentos de origem animal é essencial para atingir os níveis de redução de carbono necessários para conter as mudanças climáticas.

 

 

  1. Fiscalizar a pesca

Segundo o WWF, 90% dos estoques globais de peixes estão sendo pescados ​​em um nível insustentável ou atingiram seu nível máximo. A mudança das condições ambientais, juntamente com as atividades ilegais e de pesca excessiva, desestabilizaram os principais sistemas ecológicos nos oceanos. Esses problemas ameaçam a subsistência de três bilhões de pessoas em todo o mundo. Acontece que escolher frutos do mar sustentáveis ​​é mais difícil do que parece. Existem muitos fatores: de onde os peixes vêm, como são capturados (ou criados) e como o ambiente local é protegido (ou não). Caso ainda tenha peixe em sua dieta, o ideal é consumir aqueles dos quais você tem ciência da procedência. Não sendo fruto de pesca fantasma e ilegal.

 

 

  1. Opte pelo consumo sustentável!

A agricultura industrial é o meio de produção dominante de muitos países. Esse setor de negócios depende fortemente do uso de produtos químicos sintéticos, como herbicidas, pesticidas e fertilizantes para atingir sua escala maciça. Isso com base na monocultura, a prática do cultivo intensivo de culturas únicas em escalas de massa. Esses sistemas de uso intensivo de água e combustível resultam na destruição da biodiversidade essencial e da terra agriculturável. Além de depender de combustíveis fósseis e contribuir para o declínio da biodiversidade, essas práticas podem levar a uma infinidade de outros riscos ambientais. Por exemplo, a agricultura de monocultura requer o uso de fertilizantes sintéticos. E o escoamento de fertilizantes contribui para a poluição da água.

Para fortalecer alternativas ao agronegócio industrial é de suma importância apoiar pequenos agricultores ​​que utilizam a água com sabedoria, minimizam a poluição, promovem a biodiversidade e mantêm a saúde do solo.

  1. Menos resíduos

 

Uma maneira negligenciada, mas incrivelmente importante, de adotar uma dieta mais amigável ao clima é simplesmente desperdiçar menos comida. De 30 a 40% de todos os alimentos são desperdiçados. 40% do que os agricultores produzem são jogados fora. O desperdício de alimentos em aterros produz uma quantidade substancial de metano, que é 21 vezes mais prejudicial que o dióxido de carbono. Recomenda-se que os consumidores evitem comprar em excesso, planejem melhor as refeições e corte as compras por impulso.

Os consumidores também podem reduzir o desperdício de produtos comprando frutas e legumes imperfeitos.

Outro método que ajuda muito na correria do dia a dia é congelar ingredientes não utilizados e entender melhor as datas de validade.

 

 

Clima favorável, você mais saudável

 

Estas são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode fazer sua parte, apoiando um sistema alimentar mais sustentável. A maioria dessas sugestões também acompanha o cultivo de um estilo de vida saudável em geral. Acontece que o que é bom para o planeta também é bom para sua saúde. Ao adotar esses hábitos, podemos abrir caminho para um sistema alimentar ecológico.

 

Fonte: Public Goods

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *