REFERÊNCIAS CONCEITUAIS

Nossos referenciais são muito importantes, norteiam todo o desenvolvimento da Positiv.A.

Acreditamos neles como fonte inspiradora para todo o nosso negócio.

Permacultura

Foi criada pelos ecologistas australianos Bill Mollison e David Holmgren na década de 1970. O termo, cunhado na Austrália, veio de permanent agriculture (agricultura permanente), e mais tarde se estendeu para significar permanent culture (cultura permanente). A sustentabilidade ecológica, idéia inicial, estendeu-se para a sustentabilidade dos assentamentos humanos.

SAIBA MAIS

foto permacultura

Cradle to cradle

Cradle to Cradle é um conceito que inspira a inovação para criar um sistema produtivo circular “do berço ao berço” onde não existe o conceito de lixo, tudo é nutriente para um novo ciclo e resíduos são de fato nutrientes que circulam em ciclos contínuos.

SAIBA MAIS

foto alimentos cradle to cradle

Capitalismo Consciente

Foi criada pelos ecologistas australianos Bill Mollison e David Holmgren na década de 1970. O termo, cunhado na Austrália, veio de permanent agriculture (agricultura permanente), e mais tarde se estendeu para significar permanent culture (cultura permanente). A sustentabilidade ecológica, idéia inicial, estendeu-se para a sustentabilidade dos assentamentos humanos.

SAIBA MAIS

logo Capitalismo Consciente Brasil

Sistema B

As Empresas B são empresas que redefinem o significado do sucesso, buscando não somente ser as melhores do mundo, mas também ser as melhores para o mundo.

SAIBA MAIS

Arcah

A Associação de Resgate à Cidadania por Amor à Humanidade é uma organização social sem fins lucrativos fundada em 2012 na cidade de São Paulo composta por jovens formadores de opinião, que se preocupam com bem estar do próximo.

SAIBA MAIS

foto do projeto ARCAH

Permacultura

Foi criada pelos ecologistas australianos Bill Mollison e David Holmgren na década de 1970. O termo, cunhado na Austrália, veio de permanent agriculture (agricultura permanente), e mais tarde se estendeu para significar permanent culture (cultura permanente). A sustentabilidade ecológica, idéia inicial, estendeu-se para a sustentabilidade dos assentamentos humanos.

Os princípios da Permacultura vem da posição de Mollison de que “a única decisão verdadeiramente ética é cada um tomar para si a responsabilidade de sua própria existência e da de seus filhos” (Mollison, 1990). A ênfase está na aplicação criativa dos princípios básicos da natureza, integrando plantas, animais, construções, e pessoas em um ambiente produtivo e com estética e harmonia. E, neste ponto encontra paralelos com a Agricultura Natural, que sendo difundida intencionalmente pelas pesquisas de Masanabu Fukuoka por todo o mundo, chegaram as mãos dos senhores fundadores da permacultura e foram por eles desenvolvidas.

Permacultura é uma síntese das práticas agrícolas tradicionais com idéias inovadoras. Unindo o conhecimento secular às descobertas da ciência moderna, proporcionando o desenvolvimento integrado da propriedade rural de forma viável e segura para o agricultor familiar.

A permacultura, além de ser um método para planejar sistemas de escala humana, proporciona uma forma sistêmica de se visualizar o mundo e as correlações entre todos os seus componentes. Serve, portanto, como meta-modelo para a prática da visão sistêmica, podendo ser aplicada em todas as situações necessárias, desde como estruturar o habitat humano até como resolver questões complexas do mundo empresarial.

Permacultura é a utilização de uma forma sistêmica de pensar e conceber princípios ecológicos que podem ser usados para projetar, criar, gerir e melhorar todos os esforços realizados por indivíduos, famílias e comunidades no sentido de um futuro sustentável. A Permacultura origina-se de uma cultura permanente do ambiente. Estabelecer em nossa rotina diária, hábitos e costumes de vida simples e ecológicos – um estilo de cultura e de vida em integração direta e equilibrada com o meio ambiente, envolvendo-se cotidianamente em atividades de auto-produção dos aspectos básicos de nossas vidas referentes a abrigo, alimento, transporte, saúde, bem-estar, educação e energias sustentáveis. (RICIARDI, Ju. 2008)
Pode se dizer que os três pilares da permacultura são: cuidado com a terra, cuidado com as pessoas e repartir os excedentes.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cradle to Cradle

Conceito “do berço ao berço”: um novo paradigma para a indústria

Cradle to Cradle é um conceito que inspira a inovação para criar um sistema produtivo circular “do berço ao berço” onde não existe o conceito de lixo, tudo é nutriente para um novo ciclo e resíduos são de fato nutrientes que circulam em ciclos contínuos. Desde a revolução industrial, há mais de 200 anos, adotamos um modelo de produção linear, baseado em “extrair – fabricar – utilizar – descartar” (e às vezes reciclar ou incinerar). Mas jogar “fora” é jogar “dentro”. Somos a única espécie do planeta que gera lixo, algo que é inútil e tóxico.

infográfico extrair - fabricar - descartar

“Ser menos ruim, não é ser bom”

Sustentabilidade hoje é sinônimo de minimizar impacto negativo, reduzir pegada ecológica, neutralizar emissões, ser eficiente… ou seja, continuar fazendo as coisas do mesmo jeito, apenas com menos intensidade. Desacelerar sem mudar a direção apenas transfere os problemas para o futuro: Ser “menos ruim” não é ser bom. Mas a indústria também pode fazer o mesmo que a natureza: produzir mais e melhor e crescer com uma pegada positiva. Cradle to Cradle® é uma estrutura de inovação de produtos e processos produtivos inspirada neste modelo de produção. A natureza flui em ciclos e funciona sem restrições a 3,8 bilhões de anos!

Eco-Efetividade: um novo paradigma de produção

A natureza não é eficiente, mas é sem dúvida efetiva e próspera. Por exemplo, observe um ipê florido na primavera, todas aquelas milhares de flores para gerar apenas algumas árvores, você diria que isto é eficiente? Porém seu impacto é sem dúvida positivo e abundante: filtram o ar, absorvem CO2, fixam nutrientes, geram sombra, embelezam a cidade e fertilizam o solo.

infográfico eco-efetividade

Fonte: EPEA BRASIL

Capitalismo Consciente

O Capitalismo Consciente é uma filosofia baseada na crença de que uma forma mais complexa de capitalismo está emergindo, que tem o potencial para melhorar o desempenho das empresas e, simultaneamente, promover a qualidade de vida de bilhões de pessoas. O movimento Capitalismo Consciente desafia os líderes empresariais a repensar por que suas organizações existem e a reconhecer os papéis de suas empresas no mercado global interdependente.

As melhores empresas entendem isso. De Zappos a Whole Foods, de Container Store ao Google: elas estão gerando todas as formas de valor que importam: emocional, social e financeiro. E estão fazendo isso para todos os seus stakeholders. Não porque é “politicamente correto”, mas porque é o caminho final para a vantagem competitiva de longo prazo. O Capitalismo Consciente difere da Responsabilidade Social Empresarial (RSE) em virtude de suas origens dentro da empresa, como expressão de uma perspectiva global sobre a forma de conceber e construir um negócio ao invés de uma resposta às noções externas do que conta como “socialmente responsável” ou pressão externa. Os Capitalistas Conscientes são defensores sem remorso de livre mercado, empreendedorismo, concorrência, liberdade de comércio, direitos de propriedade e Estado de direito. Eles reconhecem que estes são elementos essenciais de uma economia saudável e funcional, assim como confiança, compaixão, colaboração e criação de valor. Capitalismo Consciente é o efeito em nível de sistema de um número significativo de empresas que praticam os quatro princípios de um Negócio Consciente, conforme definidos no vídeo acima.

Sistema B

Embora o papel do Estado e da sociedade civil são essenciais, não são suficientes para enfrentar os principais desafios socioambientais globais. Para isso, precisamos de empresas que sejam motores do bem.

As Empresas B são empresas que redefinem o significado do sucesso, buscando não somente ser as melhores do mundo, mas também ser as melhores para o mundo. Representamos uma grande diversidade de setores, tamanhos, territórios e, especialmente, modelos inovadores que buscam o impacto triplo desde sua atividade.

Fonte: Sistema B Brasil

Arcah

Associação de Resgate a Cidadania por Amor a Humanidade

A Associação de Resgate à Cidadania por Amor à Humanidade é uma organização social sem fins lucrativos fundada em 2012 na cidade de São Paulo composta por jovens formadores de opinião, que se preocupam com bem estar do próximo. Proporciona meios seguros de envolvimento e apoio ao resgate à cidadania, focando indivíduos em situação de rua, mediante apoio a projetos e negócios sociais eficazes na desintoxicação, reabilitação, educação, capacitação profissional e reintegração à sociedade e ao mercado de trabalho.